Desenvolvimento,Design,Editorial,Programação,Projetos -

BitMail – Projeto de Envio de Mailmarketing em Lote


Download

BitMail é um aplicativo desktop para envio de e-mails em lotes, criado com a tecnologia Electron / NodeJS. Este projeto é de código aberto e ainda está em beta e diversas funcionalidades não funcionam direito e apresentam falhas com o uso em alguns servidores de e-mail.


Star

Sobre o Projeto

Há duas semanas comecei a estudar NodeJS (em Dez de 2017) e, por consequência de interesse de criação de aplicativos para desktop, estudar um pouco de Electron. Apesar de já ter experiência com Javascript, estava interessado em entender a manipulação de arquivos locais.

Como quando estudo algo prefiro criar um projeto minimamente útil, resolvi criar uma variação de um projeto que criei anos atrás para um cliente e que também é de código aberto, o PortilloMail (eu sei, não é um nome muito criativo), criado em PHP e compatível com a maioria dos servidores compartilhados.

Como ainda estou novo em NodeJS, ainda preciso resolver alguns problemas, que vou citar abaixo, mas o aplicativo já é utilizável em diversas circunstâncias.

Como Enviar E-mails?

O BitMail foi feito para ser extremamente simples. Sua tela inicial possui todas as informações básicas necessárias para enviar um e-mail.

A primeira coluna (da esquerda para a direita) refere-se ao remetente da mensagem. Basta colocar o nome de quem está enviando, a senha e o host.

Por enquanto, estamos listando apenas o host Gmail e Outlook, porém, você pode optar por personalizar para configurar o SMTP da sua própria hospedagem. Com o tempo iremos atualizar com outros padrões de hospedagens mais famosas.

A coluna do meio é referente a mensagem. Nela você coloca as informações básicas como Assunto e Mensagem (pode usar emojis) e deverá selecionar um arquivo CSV previamente configurado, que consta os e-mails e senhas dos destinatários.

A última coluna é a coluna de envio. Nela você deverá digitar um e-mail para teste. Apenas após você confirmar o teste, o botão ENVIAR vai ficar funcional.

A barra inferior é a barra de templates. O aplicativo permite que você crie arquivos HTML e os use como templates. Como a ideia é servir de mailmarketing, você mesmo pode criar o seu template. Leia aqui sobre como incluir seu próprio template. Se o quadrado preto estiver selecionado, isso quer dizer que você não irá utilizar nenhum template e irá enviar a mensagem do jeito que estiver dentro da caixa mensagem (inclusive com tags HTML).

Para poder garantir que seu e-mail não fique preso em uma caixa de SPAM ou que você seja interrompido pelo limite da sua hospedagem ou servidor de e-mails, o aplicativo é limitado a 200 e-mails por hora. Você pode editar isso, tal como preencher as configurações da sua hospedagem, no PAINEL AVANÇADO.

Antes de usar, é extremamente aconselhável que você leia o FAQ e saiba como preparar o arquivo CSV.

Se você tiver interesse em como criar o seu próprio template, você também pode ler sobre isso aqui.

Requerimentos

Após a instalação do NodeJS, você vai precisar de uma série de bibliotecas para poder fazer compilar.

Você pode baixar o NodeJS para Windows diretamente pelo site oficial ou pode usar o seguinte comando para distribuições baseadas em Debian (instalando também seu gerenciador de pacotes):

sudo apt-get update
sudo apt-get install nodejs
sudo apt-get install npm

Após a instalação do NodeJS, acesse o console e instale o Electron:

npm install electron --save-dev --save-exact

Para o envio dos e-mails, o pacote nodemailer se faz necessário. Para instala-lo, acesse o console e use:

npm install nodemailer

Por fim, para diminuir o código de leitura de arquivo, pois precisava que ele fosse síncrono e mais simples, resolvi usar o n-readlines. Provavelmente, em atualizações futuras não irei usar, mas por enquanto:

npm install n-readlines

Para poder compilar, acesse o console e na pasta onde você salvou o projeto, execute:

npx electron .

Pronto. Você agora já pode utilizar.

Obs. A única biblioteca front-end utilizada, para facilitar o desenvolvimento, foi o jQuery. Além do jQuery e das bibliotecas node utilizadas, o resto foi programado por mim. Então peguem leve nas críticas.


Follow @velhobit

Dúvidas?
Entre em um de nossos grupos ou deixe um comentário:

Grupo no Facebook Grupo no Telegram