Desenvolvimento,Design -

O que é Design de Interação?

Quando se fala em design, muitas pessoas compreendem como algo artístico ou estético, geralmente relacionado com o visual. Mas design vai muito mais além. Design é projeto. É entender o comportamento do usuário de acerca de um artefato e otimizar para que sua função seja executada da forma mais simples e objetiva possível.

Na área de TI, temos uma vertente do design que é chamada de Design de Interação. Como o próprio nome diz, corresponde aos fatores de interatividade do usuário com o sistema. É função do designer de interação projetar como o usuário vai enviar, receber e responder (ou seja, interagir) o sistema ao qual está usando. Por conta disso, o designer de interação precisa possuir uma série de habilidades específicas que adentram a área de desenvolvimento como um todo, com conhecimentos que vão desde movimentos artísticos à performance de banco de dados. Abaixo vamos listar as algumas das competências agregadas a um designer de interação.

Estética

Sem dúvida a parte do design que as pessoas mais lembram é a estética e por isso estamos falando dela primeiro. A estética depende do conhecimento relacionado a arte e filosofia. Estética não significa beleza, mas sim ajustar a aparência de acordo com a proposta do projeto. Muitas vezes, a estética é uma consequência de algo bem desenvolvido e é a última parte em que o designer trabalha.

Um termo muito usado na área de TI para se referir a estética de um sistema ou aplicativo é Look & Feel (Aparência e Sensação). Esse termo define a sensação que o usuário tem acerca de todo padrão estético de uma interface gráfica. Essa ideia é clara a medida em que as pessoas tendem a sentir sensações distintas ao utilizar aplicativos e, principalmente, sistemas operacionais diferentes. A sensação de usar o Windows, o MacOSX ou uma GUI (Graphic User Interface – Interface Gráfica de Usuário) para Linux / Unix, mesmo que usando o mesmo aplicativo, é diferente e até um pouco difícil de explicar tal diferença.

Legibilidade

A legibilidade é um conceito que envolve a compreensão simples dos elementos da tela. Lembre-se que, dentro da visão de comunicação, texto não são somente palavras escritas, mas sim qualquer símbolo que possua um significado, como um ícone, uma imagem ou um som. A legibilidade é o que torna o texto compreensível em seu contexto. Trocando em miúdos, trata-se de como os elementos podem ser facilmente interpretados pelo usuário.

A legibilidade vai desde as escolhas dos termos e palavras escolhidas à iconografia e tipografia. Até mesmo qual fonte será usada e sua espessura, se os ícones forem esqueumórficos ou minimalistas, se os espaçamentos vão ser maiores ou menores, tudo isso está envolvido no conceito de legibilidade.

É neste ponto do projeto que também se pensa em contrastes. Compreende-se contraste não apenas a diferença do preto no branco, mas em todas as reduções de nuances que facilitam a legibilidade. Quanto menos etapas de algo, mais contraste ela tem. Grande/Pequeno, Claro/Escuro, Cores Opostas, etc.

Usabilidade

Uma das principais preocupações do designer de interação é o quão fácil pode ser para o usuário chegar ao seu objetivo. A usabilidade está vinculada a legibilidade, mas vai além. Para isso, o designer precisa definir elementos que direcionem a atenção do usuário e que facilite a localização instintiva dos items interativos. É pensando na usabilidade que o profissional irá diagramar a tela e preparar protótipos de comportamento.

Dentro da usabilidade, o Designer de Interação deve fazer pelo menos um desses materiais:

  • Wireframe: Trata-se de um rascunho que define as funcionalidades do sistema. Pode ser um desenho à mão ou feito no computador, mas não possui compromisso com a fidelidade do projeto final. Sua importância é definir conceitos básicos enquanto está sendo desenvolvido o design final da interface.
  • Mockup: Imagens estáticas que representam as interfaces com a aparência mais próxima possível da final. O objetivo é demonstrar para equipe ou para o investidor como o projeto deverá ficar no final. O mockup também serve como base para criação do código referente a GUI do sistema.
  • Protótipo: Similar ao Mockup, porém simulando as interações, com ações de cliques e movimentos. Contudo, os dados geralmente são fictícios e funciona em ambiente controlado. Seu objetivo é permitir um melhor planejamento da interação, como também mostrar exemplos a investidores ou usuários teste.

É fazendo testes de usabilidade que o designer de interação vai determinar diversos fatores de espaçamentos, tamanhos de ícones e acessibilidade. Ainda, é neste momento que deve-se sair da zona de conforto e experimentar o leiaute em diferentes contextos.

Funcionalidade e Programação

Design é dar uma função à forma. Uma forma sem função, sem motivo de existir, não é design, mas arte. Diferente da arte, o design necessita de um função à quem este serve. Tudo o que se decide em um projeto, desde a sua elaboração estética até sua agilidade, existe para retornar um resultado, que é o objetivo da existência de um determinado sistema ou aplicativo.

Por isso, o designer de interação não deve apenas conhecer da parte gráfica e estética, mas também das idiossincrasias referente a área na qual está trabalhando. Neste caso, tecnologia e desenvolvimento.

Assim como um designer de moda precisa entender de costura e um designer de interiores de arquitetura, um designer de interação precisa saber como programar, ao menos o front-end, e como implementar o design que ele próprio elabora. Mesmo que ele não seja o responsável direto por aplicar esse código, é necessário que possua um conhecimento profundo de front-end e razoável quanto a back-end e banco de dados. Inclusive, muitas vezes, a responsabilidade de criação de novos componentes de interatividade é justamente do designer de interação.

Isso é necessário pois a Experiência do Usuário (UX- User eXperience), item chave do trabalho de um designer de interação, depende de todos os fatores tecnológicos que acompanham o desenvolvimento de um projeto (e até mesmo antes do usuário ter acesso ao sistema). Em determinado ponto, o designer precisa testar a confiabilidade dos dados, o tempo de resposta, praticidade de atualização, necessidade de fragmentação e, inclusive, o tempo de reparo de um eventual problema e a saúde do código. O relacionamento com o programador as vezes é esquecido, mas a experiência do programador e dos outros profissionais da empresa são tão importantes quanto a experiência do usuário, pois isso se refletirá em todo desempenho e qualidade do projeto.

Afim de compreender, conversar, sugerir e implementar, o designer de interação precisa ter conhecimentos específicos de diferentes linguagens de programação e marcação, além de suas tecnologias agregadas, tendo foco principalmente (mas não apenas) no front-end, como:

  • HTML;
  • CSS;
  • Javascript;
  • Lógica de programação;
  • Documentos DOM específicos de algumas plataformas;
  • Kits de plataformas (como Android Kit, iOS e UWP);
  • Linguagens Back-End como PHP, Java, Python, ASP ou outras que forem sendo necessárias aprender em seu cotidiano.

Ambiente Controlado vs Produção

Se por um lado o designer de interação deve possuir conhecimentos acerca do comportamento e da área de tecnologia, por outro, grande parte daqueles que se afirmam profissionais não estão trabalhando pensando em ambiente de produção.

Não é incomum ver os chamados “Designers de Dribble“, ou “Designers de Ambiente Controlado“. Basicamente, quando alguém busca no Google por UI Design vai encontrar centenas de interfaces impressionantes e incríveis, com cores vibrantes e lindas que nem a Apple conseguiria fazer tão perfeito. A verdade é que esses designs funcionam apenas em ambiente controlado, que não representam a usabilidade real e ainda frustram aqueles que estão começando.

Na próxima vez que buscar por inspiração (se for o seu caso), comece a refletir quando achar algo no Google, coisas como: E se o nome da cidade for maior do que o desse exemplo? E se o número nessa área superar o esperado? Será que o usuário vai compreender esse nome truncado? Qual o tempo hábil para fazer determinado efeito e se vale a pena? Qual o funcionamento em telas menores? Além disso, uma das coisas mais complexas do design de interfaces é criar padrões para formulários que sejam funcionais independente do tamanho de seus dados ou localização. O que é ainda mais complicado em sistemas densos como ERPs e outros específicos.

Pensando nessas respostas é que empresas que desenvolvem sistemas operacionais possuem suas próprias guidelines, que descrevem o comportamento de usabilidade em ambientes reais e traz fortes sugestões de padronização.

Claro que um profissional não precisa seguir à risca esses padrões, porém eles são fundamentais para a base do desenvolvimento de interfaces mobile e desktop pois não é bom que fujam demais do padrão do Sistema Operacional e o usuário sinta-se perdido. Entretanto sites e sistemas web possuem maior flexibilidade, ficando a cargo do Designer de Interação desenvolver o próprio Guidelines para os serviços e produtos relacionados com esse sistema.

Concluindo, Design é Projeto

Design não é desenho. Design não é ilustração. Design não é leiaute. Design é projeto. Então, diferente do que muitos pensam, alguns inclusive que se intitulam design, a área não é arte pela arte. O design serve à função e, como tal, o profissional que projeta algo precisa possuir conhecimento em diversas áreas relacionadas àquela específica vertente na qual está trabalhando. Logo, o designer de interação, além dos conhecimentos empíricos do design, como tipografia, colorimetria, filosofia, matemática (geometria), antropologia e comportamento, também precisa possuir a habilidades específicas em programação front-end e back-end (full-stack), história e negócios da área de Tecnologia da Informação.

Se você gostou deste post, curta e compartilhe ele nas mídias sociais. Caso não tenha gostado, tenha alguma dúvida ou queira fazer uma observação, deixe um comentário.

Dúvidas?
Entre em um de nossos grupos ou deixe um comentário:

Grupo no Facebook Grupo no Telegram